Make your own free website on Tripod.com

Os Invisuais

Glosssário

Os invisuais
O Olho Humano
Causas e Consequências
Doenças e anomalias
Conselhos
Capacidade do Olho Humano
William Dobelle e Louis Braille
Glossário

Aqui pode ler e entender alguns conceitos e definições acerca deste complexo assunto que é a visão:

Conjuntiva: Membrana transparente que reveste a parte interior do olho e a superfície interior das pálpebras.

 

Córnea: É o tecido transparente que cobre a pupila, a abertura da íris. Junto com o cristalino, a córnea ajusta o foco da imagem no olho.

 

Coróide: Camada média do globo ocular, constituída por uma rede de vasos sanguíneos, que abastece a retina com oxigénio e outros nutrientes.

 

Cristalino: Corpo de células transparentes e flexível, que fica atrás da íris, a parte colorida do olho. Funciona como uma lente, cujo formato pode ser ajustado para focar objectos em diferentes distâncias, num mecanismo chamado acomodação.

 

Esclerótica: Camada externa do globo ocular. É a parte branca do olho. Semi-rígida, ela dá ao globo ocular o seu formato e protege as camadas internas mais delicadas.

 

Fóvea: Porção de cada um dos olhos que permite perceber detalhes dos objectos observados. Localizada no centro da retina (revestimento do fundo do olho), é muito bem irrigada de sangue. A fóvea é parecida com uma cratera, cujo o centro é preenchido com células. Estas são receptoras que detectam os raios luminosos e as cores.

 

Humor aquoso: Líquido que se encontra entre a córnea e o cristalino.

 

Humor vítreo: Líquido que ocupa o espaço entre o cristalino e a retina.

 

Íris: É um fino tecido muscular que tem, no centro, uma abertura circular ajustável chamada de pupila. A pupila apresenta-se preta porque a maior parte da luz que entra no olho é absorvida e não reflectida para fora. Já a cor da íris é determinada pelo número de células de pigmentação.

 

Mácula: Ponto central da retina. É a região que distingue detalhes no meio do campo visual.

 

Músculos ciliares: Ajustam a forma do cristalino. Com o envelhecimento eles perdem a sua elasticidade, dificultando a focagem dos objectos próximos e provocando uma deficiência chamada de presbiopia, mais conhecida como vista cansada.

 

Nervo óptico:  A conexão do olho com o cérebro.

 

Ponto cego: Local em que o nervo óptico, ligado ao cérebro, se junta com a retina. Os vasos sanguíneos que irrigam a retina também deixam o olho a partir dali. O ponto cego tem esse nome pelo facto de não haver células fotossensíveis nessa área da retina.

 

Pupila: Localizada no centro do olho, semelhante a um círculo escuro. Controla automaticamente a entrada de luz: dilata-se num ambiente com pouca claridade e estreita-se quando a iluminação é maior. Esses ajustes que a pupila faz com que o ser Humano veja bem à noite e evitam danos à retina quando a luz é demasiado forte. Ela também se contrai quando fixamos objectos próximos (e vice-versa), ajudando assim a dar foco à imagem na retina.

 

Retina: A camada mais interna do olho. É uma membrana sensível à luz, conectada ao cérebro via nervo óptico. Sua função é receber ondas de luz e convertê-las em impulsos nervosos, que são transformados em percepções visuais. Para realizar esse trabalho, esta conta com a ajuda de dois tipos de receptores visuais, os cones e os bastonetes.

8ºB, Escola Básica e Secundária de Santa Cruz, Madeira, 2007