Make your own free website on Tripod.com

Os Invisuais

O Olho Humano

Os invisuais
O Olho Humano
Causas e Consequências
Doenças e anomalias
Conselhos
Capacidade do Olho Humano
William Dobelle e Louis Braille
Glossário
Nesta página pode ver e analisar o funcionamento do olho para melhor entender as doenças ou anomalias do olho humano.Por consequência, também pode ver as causas das deficiências visuais:

apr_ol11.jpg

 

 

O globo ocular é uma esfera com cerca de 2,5 cm de diâmetro e 7g de peso. Quando olhamos para algum objecto, a imagem atravessa, primeiro, a córnea (película transparente que protege o olho). Chega então à íris que regula a quantidade de luz recebida por meio de uma abertura chamada pupila. Quanto maior a pupila, mais luz entra no olho.

 

 

 

Após passar a pupila, a imagem chega a uma espécie de lente, o cristalino, e é focada sobre a retina. A lente do olho produz uma imagem invertida, e o cérebro converte-a para a posição correcta. Na retina, mais de cem milhões de células foto receptoras transformam as ondas luminosas em impulsos electroquímicos que são descodificados pelo cérebro.

 

 

 

Estas células (foto receptoras) dividem-se em dois grupos: os cones e os bastonetes. Os bastonetes são os mais "usados" à noite, pois não precisam de muita luz para funcionar, mas não conseguem distinguir as cores. As células que são responsáveis pela visão das cores são os cones: uns são sensíveis ao azul, outros ao vermelho e outros ao verde. O mais surpreendente é que essa combinação desses três grupos de cones é capaz de produzir todas as tonalidades de cores que o ser humano consegue distinguir. A ausência de qualquer um desses grupos resulta numa doença chamada daltonismo, que é não conseguir distinguir determinada cor.

 

 

 

Neste momento, sabe-se que o daltonismo é uma doença sem cura nem prevenção. Apenas se sabe que é um problema que tem origem genética e que afecta, principalmente, os homens. Aliás, não é só sobre esta doença que a oftalmologia pouco sabe. O funcionamento das células nervosas que compõem a retina e a sua conexão com o cérebro, ainda são regiões desconhecidas ou pouco nítidas para este ramo. Se calhar seja por isso que as doenças que atingem essa região normalmente levam à cegueira irreversível.

 

 

8ºB, Escola Básica e Secundária de Santa Cruz, Madeira, 2007